cyberbullying

Cyberbullying: como evitar que o adolescente sofra com ele

  |  Tempo de leitura: 3 minutos
Clique e encontre seu psicólogo !

Cyberbullying, você sabe o que é? O bullying é muito recorrente na infância e na adolescência não diminui a gravidade do problema. As crianças descontam insegurança com agressividade nos que consideram de alguma forma diferente deles.

Com o aumento do uso das redes sociais, esse problema invadiu a internet, ganhando um termo específico: o cyberbullying. Ocorre quando a tecnologia é o meio usado para ameaçar, constranger, assediar ou atingir outra pessoa.

Embora muitos pensem que o bullying é “normal”, pode trazer consequências sérias para a vida da criança ou adolescente. Existem casos em que as vítimas chegam até a cometer suicídio por não obterem o apoio necessário. E como os pais podem ajudar?

Como os pais podem ajudar a evitar que seu filho adolescente sofra cyberbullying

A orientação dos pais é imprescindível nos casos de cyberbullying. Estabelecer uma relação de confiança pode prevenir que esses problemas tomem proporções maiores do que deveriam, e causar sequelas no comportamento psicológico dos jovens. Existem outras formas também para evitar ou resolver esse tipo de bullying.

1. Aborde os riscos do mundo virtual

A internet gera inúmeras possibilidades, então tente expor para seus filhos a realidade do que pode acontecer de ruim. Além do cyberbullying, o oriente para não aceitar pedidos de amizade e conversar com estranhos. Outro conselho é não expor algumas informações pessoais como nome completo, endereço ou telefone na internet.

2. Oriente a não compartilhar suas senhas

Alerte-o para não compartilhar as senhas de suas redes sociais e dispositivos, nem com melhores amigos, pois há o perigo de alguém postar algo em suas redes pessoais sem o consentimento do dono.

3. Invista em aplicativos de monitoramento

Existem aplicativos de monitoramento de adolescentes que te possibilitam rastrear o que seu filho está fazendo na internet. O Spyzie é um bom exemplo, já que também permite estabelecer limites e bloquear certos tipos de conteúdo nocivos como pornografia, ódio, etc. Esses aplicativos permitem verificar histórico de buscas, conversas, páginas visitadas, rastrear a localização, verificar downloads e imagens recebidas.

Além disso, alguns apps permitem restringir o uso do dispositivo e de alguns aplicativos, para promover o uso consciente. Os recursos de localização podem ser um grande aliado também para manter seu filho seguro não só no mundo virtual.

4. Ensine seus filhos a identificar o cyberbullying

Muitas vezes os adolescentes não percebem que certos comportamentos podem ser caracterizados como bullying, não dando a devida importância para evitar ou resolver quando são atingidos. Fale que mensagens ofensivas ou espalhando boatos são formas de cyberbullying.

5. Identifique se seu filho comete bullying

O que muitas vezes pode ser “brincadeira” na mente do adolescente, para quem recebe o bullying pode gerar consequências trágicas. Identifique se seu filho mostra comportamentos característicos e ressalte que esse tipo de atitude é inaceitável.

Demonstre que tanto as mensagens diretas a vítima, quanto postagens em redes sociais ou espaços virtuais com o intuito de constranger, ameaçar ou assediar alguém não é tolerável e que pode gerar sequelas psicológicas na vida das vítimas.

6. Entre em contato com a escola

Caso identifique que seu filho esteja envolvido em algum caso de bullying, entre em contato com a escola para que possa resolver esse problema diretamente com os pais do agressor, além de acompanhar de perto todo o caso.

É importante estar sempre atento ao que seu filho faz e ao que fazem com ele na internet. Lembre-se de que quanto mais atentos os pais estiverem, menor as chances de que o problema se torne em algo complicado de se resolver.

Clique e encontre seu psicólogo !

Tatiana Pimenta

CEO e Fundadora da Vittude. É apaixonada por psicologia e comportamento humano, sendo grande estudiosa de temas como Psicologia Positiva e os impactos da felicidade na saúde física e mental. Cursou The Science of Happiness pela University of California, Berkley. É maratonista e praticante de Mindfulness. Encontrou na corrida de rua e na meditação fontes de disciplina, foco, felicidade e produtividade.