Tratamento da depressão

8 atitudes que ajudam o tratamento da depressão

  |  Tempo de leitura: 5 minutos

A terapia cognitivo-comportamental faz parte do tratamento da depressão. E, ao que tudo indica, é uma das grandes chaves para a melhora do indivíduo. Se for identificada a necessidade também é indicado tratamento medicamentoso coadjuvante. Mas algumas outras ações podem contribuir com o tratamento para melhora do estado de ânimo, motivação e, consequentemente, melhora geral da saúde. Confira a seguir boas alternativas!

Atitudes que ajudam no tratamento da depressão

Enumeramos abaixo algumas atitudes que podem colaborar positivamente no tratamento para depressão.

1. Dê risada

Rir é um ótimo remédio na vida da pessoa com depressão. Em seu livro A Terapia do Riso, o médico homeopata Eduardo Lambert diz que a alegria e o riso ajudam na resposta aos tratamentos e os mecanismos naturais de autocura. Segundo ele, o riso treme, faz vibrar o corpo e relaxa dando uma sensação de bem-estar. E ainda ativa no cérebro a produção de substâncias químicas que nos protegem contra acidentes vasculares cerebrais, estresse, problemas cardíacos e até depressão. Então, exponha-se a coisas engraçadas: conviva com pessoas divertidas, veja filmes alegres… Não tenha vergonha: ria até de si mesmo!

2. Cerque-se de amigos

A psicóloga americana especialista no tema e autora do livro “Viver com Depressão”, Deborah Serani diz que parte de viver com a doença requer que você aprenda a reformular pensamentos negativos em positivos. “Incluir pessoas em sua vida que são afirmativas, afetivas e aceitam quem você é, irá auxiliar melhor seu crescimento através de um ambiente de cura.”

3. Pratique meditação

tratamento-depressao2

Meditar melhora o sistema imunológico e aumenta nossa capacidade de atenção. E cada vez mais pesquisadores descobrem as vantagens dessa prática. Uma pesquisa da Universidade Johns Hopkins, nos Estados Unidos, e um artigo publicado no The Lancet  (uma das mais prestigiadas revistas científicas do mundo), por exemplo, revelaram que a meditação de atenção plena (mindfullness) pode ser usada como alternativa aos antidepressivos em pacientes que já estão em fase de manutenção do tratamento.

Leia mais: Depressão: tudo o que você precisa saber sobre a doença

4. Coma alimentos saudáveis

Uma alimentação saudável pode contribuir com a produção de serotonina – neurotransmissor que atua no cérebro regulando o humor, sono, apetite, entre outras coisas. E isso ajuda a melhorar o ânimo e até combater a depressão. Tente incluir em seu cardápio: banana, abacate, mel, nozes, castanhas, peixes de água fria (salmão, atum, cavalinha), nozes, entre outros. Os alimentos mais adequados a você, bem como as quantidades ideais devem ser indicados por um nutricionista. Fique atento também ao que é preciso evitar: álcool, cafeína, adoçante artificial, óleo hidrogenado, alimentos industriais, açúcar refinado e alimentos ricos em sódio. Eles podem mexer com seu sistema nervoso.

teste-depressão

5. Faça uma atividade física

tratamento-depressao4

A depressão mina a energia do corpo. Mas é importante lutar contra esse desânimo. E a atividade física tem se mostrado uma grande saída. Isso porque o exercício libera no cérebro substâncias como as endorfinas, ligadas ao bem-estar e prazer. Uma revisão de estudos feita por pesquisadores da Universidade do Texas, nos EUA, apontou que exercícios aeróbicos (como caminhar vigorosamente, correr e pedalar) são os mais indicados para os pacientes com depressão. A recomendação é de 3 a 5 vezes por semana, com períodos de 45 a 60 minutos. Uma outra pesquisa, da Universidade Southern Methodist, também nos EUA, teria identificado a quantidade diária necessária de exercício físico capaz de combater a depressão: apenas 21 minutos. Segundo os cientistas, é possível sentir melhora nos sintomas da depressão cerca de quatro semanas após o início da prática regular.

 6. Envolva-se em um trabalho voluntário

Procure organizações cuja missão você se identifica e ofereça seu tempo e seus serviços. Assim você poderá reduzir os sintomas da depressão, aumentar seu bem-estar e reduzir o risco de mortalidade em 22%, conforme diz um estudo publicado no BioMed Central.

7. Cuide de um jardim

tratamento-depressao3

Um hobby, como a jardinagem, pode ajudar muito por produzir mudanças fisiológicas e melhorar a saúde física e mental. Uma delas pode ocorrer pelo simples fato de colocar as mãos na terra. É o que diz um estudo conduzido por pesquisadores da Universidade de Bristol, no Reino Unido. Segundo eles, o contato com uma espécie natural de bactérias presentes no solo, Mycobacterium vaccae, faria o corpo liberar substâncias químicas vitais do sistema imunológico chamadas citocinas. Estas, por sua vez, estimulariam o cérebro a produzir o neurotransmissor serotonina – aquele que regula o humor. Fora que você cultivaria flores para alegrar a vida ou colheria alimentos frescos e orgânicos em seu próprio quintal.

8. Nunca pare de lutar contra a depressão

Talvez você tenha de lutar contra a doença pelo resto da vida. Mas isso não é para desanimá-lo. Procure aceitar essa situação no momento presente, ao contrário de fugir dela. “O principal objetivo da terapia psicológica não é transportar o paciente para um impossível estado de felicidade, mas sim ajudá-lo a adquirir firmeza e paciência diante do sofrimento. A vida acontece num equilíbrio entre a alegria e a dor. Quem não se arrisca para além da realidade jamais encontrará a verdade”, diz Carl Jung.

Conheça a Vittude e encontre o psicólogo ideal para você! Marque sua consulta!

Leia também:
Como anda seu nível de depressão, ansiedade e stress? Faça o teste!

Mau humor pode significar depressão? Sim!

Tatiana Pimenta

CEO e Fundadora da Vittude. É apaixonada por psicologia e comportamento humano, sendo grande estudiosa de temas como Psicologia Positiva e os impactos da felicidade na saúde física e mental. Cursou The Science of Happiness pela University of California, Berkley. É maratonista e praticante de Mindfulness. Encontrou na corrida de rua e na meditação fontes de disciplina, foco, felicidade e produtividade.