Como lidar com as crianças na quarentena

Como lidar com as crianças na quarentena?

  |  Tempo de leitura: 12 minutos

A pandemia de COVID-19 já é um desafio por si só para os adultos: preocupações com a saúde e economia têm ocupado boa parte do dia a dia. No entanto, também é preciso entender como lidar com as crianças na quarentena. 

Com boa parte das escolas fechadas, os pequenos estão em casa com a família e também precisam enfrentar os desafios desse  período de isolamento social. Enquanto alguns pais ainda precisam trabalhar fora e não têm com quem deixar os filhos, outros precisam conciliar a rotina de home office com as necessidades das crianças.

Neste cenário de caos e incerteza, cabe aos pais ou responsáveis adaptar o dia a dia das crianças de acordo com a nova realidade. No entanto, não podemos parar por aí, pois dependendo da idade é importante também conversar sobre o que está acontecendo no Brasil e no mundo.

Afinal, com a internet à disposição não podemos achar que as crianças estão blindadas de todas as informações.

O isolamento social gera muitos questionamentos, deixa as pessoas desnorteadas e confusas. Faz parte, mas é possível amenizar a situação e cuidar das crianças de maneira saudável neste momento. Neste artigo, você poderá conferir algumas dicas para aprender como lidar com as crianças na quarentena.

Continue a leitura e vamos juntos superar os obstáculos desse momento atípico que o mundo todo está vivendo!

Ebook Quarentena

Como lidar com as crianças na quarentena?

Medo, angústia e ansiedade são as palavras da vez. Todo mundo está preocupado com um parente no grupo de risco ou com a situação econômica do país. Estamos todos juntos em um mesmo barco, mas diante de tantas incertezas, não podemos nos esquecer dos pequenos.

Muitos pais estão confusos e não sabem como lidar com as crianças na quarentena. É claro que cada ambiente familiar tem as suas peculiaridades, mas existem algumas recomendações gerais, principalmente no que diz respeito à abordagem do assunto e à rotina dos filhos.

Como falar sobre o COVID-19 com as crianças?

Para facilitar, vamos dividir esse guia em etapas. Dessa forma, você tem mais clareza sobre qual é o passo a passo indicado para abordar o assunto com as crianças.

1. Prepare-se emocionalmente

Muitas pessoas estão passando por picos de ansiedade e estresse por conta de todo o contexto de pandemia do coronavírus. Para que a abordagem do assunto não seja traumática para a criança, certifique-se de que você está apto para falar sobre o tema sem chorar ou demonstrar muito desespero.

A criança deve sentir confiança em suas palavras e não ficar mais apavorada. Para se preparar emocionalmente, medite e faça técnicas de respiração que irão acalmar a sua mente e abaixar os níveis de ansiedade.

2. Estruture o roteiro da conversa

Outra dica importante é não começar a conversa sem saber o que falar, pois dessa forma você pode acabar repassando informações desconexas e transmitir ansiedade. Se possível, antes de começar o papo organize as ideias na cabeça para falar apenas o necessário para a criança.

3. Tenha uma conversa aberta e franca

Saiba que ter uma conversa aberta, franca e solidária com os filhos é o melhor caminho para diminuir os níveis de ansiedade e ter um dia a dia mais agradável. Antes de tudo, vale considerar a idade do seu filho, pois se  for muito pequeno para entender o contexto talvez não valha a pena entrar em detalhes sobre o tema. Nesses casos, o ideal é penas incentivar bons hábitos de higiene.

Para crianças maiores, a dica é introduzir o assunto de tal forma que haja uma abertura para a criança expor o que ela já sabe e as suas dúvidas. Em seguida, acalme suas angústias e assegure que é normal sentir medo e ansiedade, mas que é preciso ter coragem para enfrentar a situação com otimismo. A criança deve sentir que pode procurar conforto nos familiares quando precisar.

É importante ser honesto, ou seja, falar a verdade, mas de uma maneira que a criança entenda. Se necessário, utilize histórias ou desenhos para ajudar na explicação e torná-la mais didática. 

Caso a região em que você more esteja enfrentando um surto, reforce para as crianças que a maioria dos casos de coronavírus são leves e que muitas pessoas estão trabalhando diariamente para conter a transmissão e manter todos seguros.

Considere que se a criança ficar doente você deverá explicar que ela precisará ficar em isolamento em casa ou no hospital, pois é mais seguro para a saúde de todos. Tranquilize suas inquietações, reforçando que é o momento de cuidarmos uns dos outros e que juntos todos sairemos com saúde da situação.

4. Filtre as informações

As crianças não precisam ser expostas a absolutamente tudo o que está acontecendo no mundo, portanto, filtre apenas as informações essenciais.

Tenha em mente um ponto super importante: poupe as crianças do excesso de informações fornecidas pela mídia, sobretudo televisiva, com expressões dramáticas, polêmicas desnecessárias e com um conteúdo muito aquém da compreensão delas.

Traduza o que for importante, não transmita uma sensação de pânico e simplifique. Detalhes sobre números de mortes e dramas familiares geram medos desnecessários e contraproducentes. 

5. Dê orientações sobre prevenção

Neste momento não basta apenas falar sobre tudo de ruim que está acontecendo no mundo e se esquecer de orientar a criança em relação à prevenção da doença.

No caso do coronavírus o mais indicado é falar sobre as medidas básicas de higiene, como a lavagem das mãos e as maneiras adequadas de espirrar ou tossir. Use vídeos da internet ou algum outro recurso que possa ajudar nesse momento para que a explicação fique bem clara.

6.  Avalie como a criança absorveu as informações

Ao encerrar a conversa, avalie se a criança ficou muito ansiosa com o assunto e sempre reforce a importância do cuidado, solidariedade e união neste momento, colocando-se à disposição para conversar sobre o tema quantas vezes for necessário. Enfim, procure trazer leveza para um tema que por si só já é muito pesado. 

Crianças na quarentena

Como entreter as crianças durante a quarentena?

Quando o assunto é como lidar com as crianças na quarentena, muitos pais estão se descabelando por conta da suspensão das aulas como uma medida para ajudar a conter a disseminação do coronavírus.

Por mais que algumas escolas estejam enviando atividades para serem realizadas em casa, não há como negar que a rotina mudou completamente. 

Os contextos são muito diversos. Algumas famílias vivem em residências muito pequenas, de apenas dois cômodos, o que acaba afetando bastante a convivência.

Em outros casos, as mães precisam trabalhar remotamente e não conseguem conciliar as tarefas pessoais e profissionais. Por fim, há também os pais que ainda precisam sair para trabalhar e não têm com quem deixar os pequenos. 

E nem pense em deixar as crianças com os avós, pois como os mais velhos estão no grupo de risco não é recomendado que tenham muito contato com outras pessoas, principalmente as crianças, que às vezes podem acabar se descuidando um pouco.

Elas, por sua vez, estão acostumadas a ir para as aulas, brincar e fazer as atividades escolares, portanto, em uma situação em que são obrigadas a ficar em casa o tempo todo podem acabar ficando com energia acumulada.

Os pais precisam, mais do que nunca, estar atentos às necessidades dos filhos para que o período de quarentena não seja totalmente perdido. É necessário auxiliar os pequenos tanto na execução das tarefas escolares como na parte emocional.

Confira algumas dicas sobre como lidar com as crianças na quarentena por meio de uma nova rotina cheia de atividades!

1. Incentive a aprendizagem por meio de brincadeiras

Crianças em crescimento e desenvolvimento devem brincar, pois aprendem muito dessa forma. Além dos brinquedos prontos, estimule a criatividade por meio de atividades mais dinâmicas, como por exemplo, plantar uma flor, fazer uma receita ou brincar com um jogo de tabuleiro.

É sempre possível aprender algo novo por meio de brincadeiras como essas que fogem das telas de celular e da televisão. A criança explora sentidos como tato e o olfato, além de se divertir bastante e aprender coisas novas.

2. Estimule a imaginação

Já que não se pode ir ao cinema, teatro ou passear no parque, que tal estimular a imaginação em casa mesmo?

As crianças adoram inventar histórias e o momento de quarentena é ideal para esse tipo de brincadeira. Aproveite a mente fantasiosa do seu filho para estimular seus pensamentos e ajudá-lo a se desligar da realidade em alguns momentos.

Uma dica, por exemplo, é incentivá-lo a criar histórias e personagens em momentos em que você precisa realizar alguma tarefa ou trabalhar. Quando tiver tempo, participe das histórias junto com ele, mas se precisar que ele se vire sozinho, apenas estimule e depois peça para ele te contar todas as suas aventuras.

Outra forma de estimular a imaginação é por meio da contação de histórias. Leia um livro para a criança e depois a incentive a brincar e recriar o universo do livro.

3. Faça-o brincar sozinho

Em alguns momentos a criança vai precisar ficar sozinha (a não ser que tenha um irmão, por exemplo). Portanto, é importante oferecer brinquedos que não exigem a companhia de outras pessoas. Alguns exemplos são quebra-cabeças e jogos de Lego, que exigem tempo e dedicação.

Se a criança for muito pequena, isso não significa que deva deixá-la sem vigilância durante essas atividades. Enquanto está executando outra tarefa, coloque-o ao seu lado para brincar sozinho e prometa que mais tarde vocês passarão um tempo juntos.

4. Estimule a criatividade

Para que os pequenos não fiquem o dia todo vidrados na televisão, video game ou celular, incentive o desenho, a pintura ou o uso de massinhas. Atividades manuais são muito bem-vindas!

Quando as crianças estão entediadas não será um boneco ou carrinho que irá proporcionar entretenimento. Elas buscam brincadeiras novas e diferentes. Logo, permita que usem outros objetos da casa para brincarem: caixas de papelão, luvas de cozinha, ou qualquer outra coisa que possa estimular a criatividade.

Em alguns momentos os filhos podem acabar criando eles mesmos as brincadeiras, mas se perceber que estão com dificuldades, sugira algo novo e inove.

5. Crie uma rotina

Um dos pontos mais importantes quando o assunto é como lidar com as crianças na quarentena é, além de estabelecer a sua rotina, criar uma para as crianças também.

Dessa forma você irá introduzir na cabeça delas que cada atividade deverá acontecer em uma sequência de horários. Isso ajudará a organizar o seu dia e manterá a criança ocupada nos momentos em que você precisar focar no trabalho ou alguma outra atividade.

Faça seus filhos entenderem que a quarentena não é férias e que além das atividades escolares que deverão ser feitas dentro do prazo, também existirão algumas regras e horários a serem cumpridos.

Para cuidar das crianças, cuide da sua saúde mental

Falamos muito sobre os cuidados que se deve ter com os outros, mais especificamente com as crianças, mas sabia que para cuidar bem dos outros primeiro é preciso estar em dia com a sua saúde mental?

A quarentena tem sido um desafio para muitas famílias e adaptação não é tão simples como parece. Para lidar com todas as mudanças sem surtar é preciso tirar um tempinho para cuidar de si.

Isso quer dizer ter um horário na sua agenda para praticar exercícios, meditar, se divertir, se conectar com os familiares e amigos por meio de video-conferências e, é claro, cuidar das emoções.

Ebook 24 razões

Caso sinta que seus níveis de ansiedade e estresse estão muito altos, prejudicando seu bem-estar e a convivência com a família, procure um psicólogo para ajudar nesse momento.

Com o isolamento social, muitos profissionais estão atendendo virtualmente, o que torna os preços das sessões até mais acessíveis.

Não sabe onde encontrar o seu psicólogo? Na Vittude você encontra muitos profissionais de diferentes especialidades prontos para te atender e cuidar da sua saúde mental. Entre no site e comece agora mesmo as suas sessões de terapia!

Bruna Cosenza

Escritora, produtora de conteúdo e LinkedIn Top Voice 2019. Autora do romance "Lola & Benjamin", acredita que as palavras têm poder próprio e são capazes de transformar, inspirar e libertar. É apaixonada por comportamento humano e pela relação entre corpo e mente. Escreve porque considera o conteúdo uma das ferramentas mais poderosas que existem para provocar reflexões e derrubar barreiras.