setembro amarelo

Setembro amarelo: a importância da prevenção do suicídio

  |  Tempo de leitura: 9 minutos

Setembro amarelo é uma campanha, cujo objetivo é conscientizar as pessoas sobre a prevenção do suicídio. Desde 2015, as buscas pelo diálogo sobre suicídio se multiplicam neste mês. O dia 10 de setembro foi designado como o Dia Mundial da Prevenção do Suicídio. 

Embora esse assunto seja delicado, é importante estabelecer uma conversa com a população para reduzir os casos de suicídio. Apenas no Brasil, de acordo com a Organização Mundial de Saúde (OMS), a cada 45 minutos há uma tentativa de tirar a própria vida. 

Mundialmente, 800 mil pessoas cometem suicídio todos os anos. Em 2016, o suicídio foi considerado a segunda maior causa de morte entre jovens de 15 a 29 anos. A cada ano, o problema afeta um número maior de famílias e comunidades oriundas de países distintos. Portanto, apesar dos tabus que o cercam, é um assunto que deve ser amplamente discutido. 

Como surgiu o Setembro Amarelo?

A campanha nasceu de um esforço conjunto da Associação Brasileira de Psicologia (ABP), Conselho Federal de Medicina (CFM) e Centro de Valorização da Vida (CVV). Além de trazer mais visibilidade à causa, a intenção do setembro amarelo é incentivar a população a procurar ajuda, superando a vergonha e o receio.

Ainda existem muitas barreiras para se falar abertamente sobre suicídio. Muitas pessoas não compartilham o desejo de tirar a própria vida ou a existência de pensamentos suicidas. Até mesmo porque não compreendem inteiramente o que estão sentindo, preferindo ignorar os sentimentos ruins. Parentes e amigos também não têm consciência do problema até que seja tarde demais. 

Para tanto, durante o setembro amarelo, são realizadas diversas ações para sensibilizar profissionais da área da saúde e a população como um todo. 

Qual é o significado da cor amarela?

A cor é uma homenagem ao americano Mike Emme que, em 1994, aos 17 anos, cometeu suicídio. O jovem era conhecido por ser proprietário de um mustang amarelo, o qual ele próprio restaurou. Como Mike não demonstrava nenhum descontentamento com a vida, sua morte foi chocante para as pessoas que o conheciam. 

Assim, os pais de Mike, Dale e Darlene Emme, junto de amigos, deram início à campanha das fitas amarelas. Um cartão com a mensagem “se você precisar, peça ajuda” foi distribuído com cada fita no dia do funeral dele. 

Em poucas semanas, a história se espalhou pelos Estados Unidos e, posteriormente, para o mundo. A iniciativa também fez com que muitos adolescentes procurassem ajuda de professores e familiares.

Quais atividades são realizadas durante o Setembro Amarelo?

A educação e a comunicação são os principais pilares do setembro amarelo uma vez que a desinformação dá margem para pré-julgamentos. Para que as pessoas comecem a compartilhar o que sentem, um ambiente confortável deve ser criado para essa finalidade. 

Esse feito é apenas possível quando a maioria, se não todos, entende o que é o suicídio, suas causas e como preveni-lo. Estigmas construídos por crenças populares e falta de informação são, assim, combatidos com conhecimento. 

O trabalho é complexo porque não há exatamente um causa específica para o suicídio. Este pode ser motivado por incontáveis razões provenientes da vida pessoal de cada um. Na verdade, a pessoa que recorre ao suicídio não deseja a morte, mas estar livre dos problemas de sua vida. 

É necessário, então, determinar quais fatores internos (pessoais) e externos (sociedade) influenciam a saúde mental das pessoas. 

Por que o Setembro Amarelo é importante?

No Brasil, doenças psiquiátricas como depressão e transtorno de ansiedade ainda são associadas à preguiça, fraqueza, falta de Deus ou a uma falha no comportamento da pessoa em algumas regiões. 

Apesar de estarmos caminhando para um futuro melhor, pensamentos e tabus ainda dificultam a compreensão da importância do tratamento psicológico e/ou psiquiátrico

Embora essas doenças não levem necessariamente ao suicídio, são grandes agravantes. É imperativo compreender que todos estão sujeitos a sucumbir a este problema por conta de inúmeras circunstâncias: estilo de vida, traumas, morte na família, término de relacionamentos e doenças tanto físicas quanto mentais.

Ademais, esse preconceito não condiz com a realidade do país. Dados da Organização Mundial da Saúde confirmam que o Brasil tem o maior percentual de depressão da América Latina. A taxa de 5,8% da população é maior do que a média mundial de 4,4%. Em outras palavras, opiniões equivocadas impedem a prevenção de um problema que afeta grande parte dos brasileiros.

Muitas pessoas compartilham situações semelhantes na vida, porém, cada um tem uma interpretação única. Enquanto alguns têm mais facilidade para administrar suas emoções e pensamentos, outros não obtêm o mesmo sucesso. Não há vergonha em admitir isso.

Por isso, não devemos temer expressar o que sentimos, mesmo que seja doloroso, e procurar ajuda profissional. O setembro amarelo tem como uma de suas funções divulgar essa maneira de pensar. Dessa forma, os tabus associados às doenças psiquiátricas bem como ao suicídio, eventualmente, são quebrados. 

Quando procurar ajuda profissional?

Procure ajuda se você:

  • Não sente mais vontade de conviver com a família ou amigos, isolando-se das pessoas e de possíveis atividades.
  • Sente-se desanimado com frequência.
  • Sente-se irritado, apático e receoso constantemente.
  • Apresenta distúrbios do sono ou dificuldades para se alimentar.
  • Vivencia solidão, desesperança e impotência.
  • Imagina como o mundo seria se você não tivesse nascido.
  • Não vê a necessidade de executar tarefas diárias ou de honrar compromissos, como costumava fazer.
  • Não consegue enxergar a saída para seus problemas nem um futuro onde se sinta melhor.
  • Tem dificuldade para estabelecer laços de amizade com as pessoas.
  • Apresenta humor instável com mudanças frequentes. 
  • É incapaz de fazer planos para o futuro por não se achar capaz ou merecedor. 
  • Sente-se inferior aos demais.
  • Se culpa por acontecimentos passado. 
  • É incapaz de gostar de sua personalidade, enxergar suas qualidades e amar a si mesmo. 

Além disso, pessoas que apresentam doenças psiquiátricas ou sofreram traumas significativos recentemente, como a morte de uma pessoa querida ou um acidente ou uma demissão, possuem maior suscetibilidade para cometer suicídio.

Quando não sabemos lidar com a adversidade de maneira saudável, deixamos que sentimentos negativos tomem conta de nós. Devemos, portanto, dar a devida importância para as nossas emoções quando algo inesperado acontece em nossas vidas. 

O Centro de Valorização da Vida oferece aconselhamento on-line, via chat, e através do número 180. Sinta-se à vontade para aliviar o que sente quando achar necessário.

Como posso ajudar outra pessoa?

Primeiramente, tenha paciência

Geralmente, pessoas que pensam em tentar ou já tentaram tirar a própria vida não falam de seus problemas com facilidade. Elas procuram se isolar, mesmo quando a situação seja conhecida. Você provavelmente não compreenderá as razões por trás da reclusão, por isso, seja paciente e compassivo. 

Há algumas atitudes que você pode tomar para ajudar pessoas que apresentam um ou mais dos comportamentos listados anteriormente:

Acima de tudo, não faça julgamentos

Demonstre o seu suporte incondicional, mas não exija ou espere que a pessoa vá atrás de você logo de início. Leva um tempo para que a pessoa tenha confiança o suficiente para expressar seus sentimentos. 

Ouça com empatia

Ouça as reclamações, lamentações e exigências do outro com empatia. Doe um pouco de seu tempo para dar lhe à devida atenção. Estamos extremamente ocupados nos dias atuais, porém, às vezes, uma ligação ou uma mensagem são o suficiente para alegrar alguém. 

Procure compreender os sentimentos

Não é tão fácil entender o raciocínio de alguém quando estamos de fora da situação. Nesse caso, contudo, você precisa exercitar sua empatia e procurar decifrar as emoções da pessoa mesmo que, para você, pareçam ilógicas ou estranhas.

Trate com naturalidade

Não exclua a pessoa de planos e atividades que antes faziam juntos, mesmo quando seu convite não for aceito. Mantenha o contato. Entretanto, apenas fale no assunto se a pessoa desejar. 

Converse com familiares

Se você percebeu que a situação é mais séria do que imaginava, comunique os familiares. Vocês podem pensar, juntos, em soluções para ajudar a pessoa. 

Por fim, aconselhe a pessoa buscar ajuda profissional

Se você notou que a pessoa querida está agindo diferente e vem reclamando muito da vida, não hesite em aconselhar uma visita a um psicólogo. Normalmente, as pessoas procuram resolver problemas pessoais sozinhas, porém, são incapazes de se ver livre deles completamente. Sugerir ajuda profissional não é uma ofensa e, sim, a forma mais eficaz de ajudar.

Plataformas como a Vittude podem facilitar a busca por um psicólogo que atenda a requisitos específicos para atender a todos que precisem de acompanhamento. Acesse nosso site e confira você mesmo todas as oportunidades oferecidas!

Qual é a importância do tratamento psicológico?

O setembro amarelo indiretamente é também a naturalização do tratamento psicológico. Felizmente, mais e mais pessoas estão dispostas a procurar ajuda profissional, seja fisicamente ou via internet. Nesse sentido, plataformas como a Vittude vem utilizando tecnologia para deixar o tratamento cada vez mais acessível.

Hoje já é possível fazer terapia online, de qual lugar, a qualquer hora, apenas possuindo um smartphone e um bom sinal de wi-fi. Isso facilita que a ajuda chegue a cidades menores, a pessoas que estão socialmente isoladas em outros países ou que estejam impossibilitadas, por alguma razão, de se locomover.

Um psicólogo é capaz de ajudar a pessoa a lidar com os problemas que tanto deseja escapar. O suicídio é o último passo de um longo período de sofrimento silencioso. Quer dizer, há muito acumulado dentro da pessoa que comete suicídio. 

Apesar das conversas com familiares e amigos também terem sua importância para o nosso bem-estar, há problemas que somente são possíveis de solucionar com a sensibilidade, escuta especializada e conhecimento de um profissional. Por essa razão, por aqui também fazemos ações, palestras, rodas de conversa com os colaboradores dos nossos clientes corporativos ao longo desse mês!

Palestra realizada no dia 10/09/2019 na empresa Iugu em São Paulo

Gostou do post? Então assine nossa newsletter para receber, em sua caixa de emails, notificações de nossos conteúdos e novidades!

Leia também:

Baleia Azul: o jogo perigoso que tem levado jovens ao suicídio

Pensamentos suicidas: 7 maneiras de combatê-los

Tatiana Pimenta

CEO e Fundadora da Vittude. É apaixonada por psicologia e comportamento humano, sendo grande estudiosa de temas como Psicologia Positiva e os impactos da felicidade na saúde física e mental. Cursou The Science of Happiness pela University of California, Berkeley. É maratonista e praticante de Mindfulness. Encontrou na corrida de rua e na meditação fontes de disciplina, foco, felicidade e produtividade.