Terapia sexual

Terapia sexual: sexo levado a sério no atendimento psicológico

Quando pensei em escrever sobre este tipo de abordagem terapêutica psicológica, a terapia sexual, pensei primeiro enfocar sob o prisma de um psicólogo e assim explicar ou pelo menos informar à população em geral sobre como este tipo de terapia tem espaço no ambiente de uma consulta psicológica.

            Acho que todos têm a curiosidade de saber o que ocorre em uma consulta de psicologia mas, informações inexatas ou mesmo informações estereotipadas podem levar a uma compreensão errônea da realidade.

A própria imaginação das pessoas pode contribuir em distorcer a realidade ou entender os fatos como realmente são.

            Pessoas que necessitam de nossa ajuda podem, por isso, se sentirem constrangidas, receosas, amedrontadas em nos procurar. Às vezes optam pela alternativa mais fácil que é a procura de um médico urologista ou ginecologista que atenda a diversos problemas físicos do corpo humano na área urológica.

Mas este não é e não deve ser o único profissional a ser procurado em algumas disfunções sexuais por se tratar de problemas com inúmeras facetas, como veremos neste texto que ora você lê.

Disfunções sexuais

            Bom, mas: o que são estas disfunções sexuais que falamos? É qualquer comportamento que influa as relações sexuais entre os parceiros.

As mais comuns são a ejaculação precoce ou retardada, a impotência, a dificuldade em se atingir o orgasmo ou a falta dele, o contração exacerbada da vagina provocando intensa dor ou a não possibilidade de penetração, a falta de libido, dentre outros.

            A procura por um especialista em terapia sexual pode diminuir este sofrimento e adiantar uma vida sexual mais prazerosa e saudável se puder vir a receber informação segura de um profissional.

Este é o motivo deste texto e espero que ele possa ajudar a todos aqueles que necessitam deste atendimento especializado em terapia sexual provenientes de um psicólogo e possa também informar os parceiros e parceiras destas pessoas propagando assim um círculo virtuoso de boas e confiáveis informações, na tentativa de melhores dias.

 

A busca pela terapia

Quando falamos em terapia, pressupõe-se que tenha um método, um conhecimento, uma rotina.

Na terapia psicológica acontece o mesmo. O terapeuta é um psicólogo que atende seus pacientes em seu consultório, ou mais recentemente, pela internet, utilizando-se de técnicas e conhecimentos que foram desenvolvidos por grandes nomes da psicologia do passado.

Freud, Jung, Lacan, e seus diversos tipos de terapia como Comportamental, Gestalt, Psicanálise, que são aplicadas ao paciente que nos procura com uma queixa de um sentimento ou mal estar que o está incomodando e prejudicando seu cotidiano, sua vida.

A partir destas técnicas podemos ter a remissão parcial ou total do problema. Não existe prazo específico porque, como tudo, nossa vida continua e com ela os enfrentamentos que cada um tem. O foco de nossos problemas vive mudando de lugar.

As sessões são de 50 minutos e podem ter um tempo maior caso seja necessário, em atendimentos excepcionais a critério do terapeuta, informado ao paciente caso isso venha a ocorrer.

O psicólogo/terapeuta é alguém para te ajudar a superar algo que o incomoda, ou simplesmente te ajudar a entender seus pensamentos e sempre te verá como um ser integral que participa de vários papéis sociais como homem/mulher, marido/esposa, filho/filha, amigo.

Entendendo a terapia sexual

Na terapia sexual, o paciente que nos procura tem alguma disfunção sexual que ele acredita que podemos ajudar.

Isto porque é muito comum (ainda mais nos dias de hoje que temos não só a internet para nos auxiliar em nossas dúvidas, mas também mais liberdade para falar sobre sexo) que o paciente já tenha lido muito sobre seu problema antes de chegar até nós e não só já tentou ou experimentou vários produtos, técnicas ou tenha consultado profissionais de outras áreas.

Isto porque este tipo de problema gera tanta angústia que todos gostariam de ter uma pílula sagrada que resolvesse todos os seus problemas, inclusive suas disfunções sexuais. Mas a verdade é dura: NÃO EXISTE TAL PÍLULA.

Se quiser resolver seus problemas, você precisará enfrentá-los, e isto começa com a decisão em buscar ajuda para resolver o que lhe aflige. O psicólogo e o psiquiatra com experiência na área sexual poderão lhe ajudar.

Terapia sexual com o auxílio de outros profissionais

E outros profissionais da saúde como fisioterapeutas e médicos também. Até porque, na hipótese do paciente apresentar informações que possam levar a possíveis distúrbios de ordem médica, como hormônios, disfunções mecânicas, uso indevido de medicamentos, doenças pré-existentes etc., isto deverá ser tratado pela área competente.

Mas o principal é que você que busca solução para o seu problema se comprometa com a terapia. Para isso, precisa dar o primeiro passo e procurar ajuda.

A terapia psicológica sexual não se utiliza de contato físico com o paciente. Nem é preciso que demonstre de nenhuma maneira como ocorre sua disfunção. Ou seja, em nenhum momento você será submetido a qualquer tipo de constrangimento ou humilhação por parte do profissional. Todos estão ali com visão humanística, de ajuda, de suporte para você, comprometidos com sua saúde e seu bem-estar.

O que o terapeuta/psicólogo precisa é de seu comprometimento, de suas informações fidedignas e de tempo.

Comprometimento com a terapia sexual

Seu comprometimento quanto ao atendimento das consultas, na realização de algumas leituras propostas, na realização de alguns exercícios propostos pelo terapeuta.

Este tipo de terapia necessita de empenho ativo de terapeuta e paciente. Ao utilizar o conhecimento da técnica mais as ferramentas que se colocam à disposição durante o tratamento, possam levar ao êxito da terapia.

Suas informações precisam ser as mais precisas possíveis para que o terapeuta possa encaminhar suas consultas/tratamento adequadamente, ou até mesmo, sugerir a participação de um outro profissional de saúde como descrito anteriormente ou mesmo de sua parceira ou parceiro.

Desta forma, o casal pode contribuir e se envolver também com as questões afetivas/conjugais, matéria muito importante no auxilio ao tratamento de disfunções sexuais sendo uma participação extremamente importante.

A questão do diálogo com o(a) parceiro

Aproveitando o trabalho ativo na terapia, a retomada ou a melhora do diálogo no casal pode também ser aprimorado, reaproximando as partes. É importante a cumplicidade neste tipo de terapia que irá se estender a todos os ramos de sua vida tornando a vida mais prazerosa.

Muitos aspectos de nossa vida (como a falta de tempo, a nossa atenção para com o outro, distrações, a fadiga física e mental, a rotina) influenciam e muito em nossos relacionamentos e poucas vezes nos damos conta disso e conseguimos reverter a situação.

O normal é que nos acomodemos na situação e não tomamos nenhuma atitude, fazendo com que a relação se deteriore com o tempo.

Além das nossas especificidades e complexidades enquanto seres humanos, ainda temos as nossas diferenças de vivência no mundo como homens e mulheres. Nossas visões são diferentes e na maioria das vezes, não nos interessamos pela visão do outro, o que dificulta ainda mais a relação.

Sim! A participação do seu parceiro/parceira pode ser necessária. Isto pode acontecer por solicitação do terapeuta em conjunto com sua aprovação. Isto pode ocorrer em conjunto com você na sua sessão ou em uma sessão/consulta separadamente a critério do terapeuta.

O sigilo é fundamental na terapia sexual

Ai vai mais uma importante informação: uma dos pontos fundamentais do trabalho psicológico diz respeito ao sigilo. O sigilo é peça fundamental para que terapeuta e paciente possam trabalhar com confiança um no outro.

Até porque assuntos considerados tabus por nossa educação ou sociedade poderão ser discutidos em nossas sessões. Também sérios problemas de conotação extremamente negativas vividas por nós poderão vir à tona e precisaremos da confiança mútua para serem devidamente analisados e tratados.

A terapia é sua. Seu lugar para conversar, desabafar, discutir, sentir emoções bloqueadas inconscientemente, tratar suas feridas, seus medos, suas angústias, expressar suas vontades e lidar com seus problemas mais íntimos em total sigilo, sem questionamentos ou julgamentos.

No caso da necessidade ou possibilidade de consulta com o parceiro/parceira, este sigilo também será mantido. Inclusive de você, caso a sessão proposta seja individual com seu parceiro/a.

E isso precisa ficar bem claro porque, lembre-se: estamos trabalhando por você mas acabamos também precisando do seu parceiro/parceira para que sua relação seja completa. Aqui não se pode ter desconfiança ou negação por talvez permitir que o outro fale da relação sem a sua presença.

Ética também permeia todo o trabalho do psicoterapeuta em qualquer terapia, seja ela sexual ou não.

O terapeuta sexual só quer te ajudar

O psicólogo/terapeuta está ali para te ajudar a resolver seu problema. Você não precisa mais adiar sua felicidade e prazer na sua vida sexual.

Devido à natureza complexa do ser humano, diversos temas podem estar competindo para impedir o pleno desfrutar da sua vida pessoal. Desde os mais simples, como o desconhecimento do funcionamento do nosso corpo, até as emoções ou atos mais simples. Essas foram suprimidas da relação sem que se pudesse perceber seu afastamento.

Daí podemos nos utilizar da terapia psicológica para abordar problemas de relacionamento com os parceiros, motivações e impedimentos psicológicos que o impedem de ter uma vida sexual mais saudável.

Buscar a felicidade é parte integrante de nossa vida. Não perca mais tempo. Procure um profissional que possa te ajudar.

 

 

 

Avalie esse artigo:

Comentários:

0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments